Getrak

Notícias
Entre em contato com um de nossos consultores (31) 3324-5710 (31) 3500-3200

Automatização virou tendência em segurança residencial. Graças à consolidação da Internet das Coisas (IoT), tudo está cada vez mais conectado, permitindo que uma pessoa possa monitorar a entrada e a saída de indivíduos em sua casa, ligar e desligar alarmes e acionar luzes e aparelhos elétricos, por exemplo. De acordo com Frederico Menegatti, CEO da Getrak, há plataformas recebendo informação e interagindo com os diversos itens que cercam o indivíduo, como sua casa e seu veículo.

Entre as tecnologias mais sofisticadas do mercado em relação à segurança residencial, existe aquela que se pode interpretar, por meio de câmeras e dispositivos espalhados pela casa, se há alguém e, principalmente,quem está dentro dela – fruto do reconhecimento facial de imagem.  "O proprietário não está no ambiente, mas recebe notificação em seu celular comunicando que uma pessoa específica, como seu filho, chegou em casa. Ou uma pessoa não reconhecida pelo sistema e, portanto, não autorizada.  É possível ter uma central como essa a partir de R$ 2 mil", conta Frederico.

Também é possível saber se há alguém em casa usando dispositivos mais baratos que variam entre R$ 200 e R$ 300 (porém, sem a identificação facial). Nos dois casos, a informação de que existe um intruso é enviada para uma central de segurança ou mesmo para o próprio proprietário, através de aplicativo de celular ou tablet.  A principal vantagem é que são sistemas on-line. Isso também ajuda a reduzir alarmes falsos, uma vez que bichos representam 20% desses sinais.

Mas, para quem quer gastar ainda menos, o diretor da Assistência Técnica em Segurança (Aseg) João Paulo Alves de Deus opina: é fundamental ter portão eletrônico com interfone e sistemas de alarmes e câmeras. "Com elas dá pra ver a placa do carro e até algo escrito em um papel. Além disso, a instalação é mais leve, por exigir menos cabos que as tradicionais câmeras de infravermelho", explica.